WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

 



(71) 98769-3230

julho 2020
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

:: ‘Política’

Bolsonaro ataca e Rui Costa revida: ‘governe o país com seriedade’

Foto: Carol Garcia/GOVBA

O governador da Bahia, Rui Costa, solicitou que o presidente Jair Bolsonaro começasse a governar o Brasil com seriedade. A fala é uma resposta ao chefe de estado que afirmou que “não adianta Rui Costa ficar nessa palhaçada”, ao se referir às medidas de isolamento social feitas pelo governador durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Durante a live desta quarta-feira (29) sobre a situação do coronavírus, Rui ainda pediu que o presidente respeitasse as vítimas da doença e suas famílias. “Mais de cinco mil famílias que choram nesse momento a morte de seus familiares e outras famílias vão chorar nos próximos dias”, afirmou o governador. Na terça-feira (28), Bolsonaro reagiu com um “e daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre” ao ser informado por um jornalista que o Brasil ultrapassou o número de mortos da China por Covid-19.

Para o presidente, Rui Costa ainda pediu o fim das “picuinhas e agressões políticas” com que Bolsonaro governa o país. O governador analisa que o chefe de estado brasileiro trata a situação de forma debochada. “Respeite os esforço de governadores e prefeitos para salvar vidas humanas. É isso que o Brasil espera do presidente da república e assiste admirando outros líderes de nação unindo o seu país para salvar vidas humanas. Vamos governar o nosso brasil e tentar salvar a vida das pessoas, a economia, o emprego e a renda”, disse. O gestor estadual completou dizendo que as mudanças na forma como Bolsonaro lida com a crise do coronavírus devem ser feitas em nome do “povo brasileiro que acreditou no senhor, lhe dando a maioria dos votos”. Fonte: Correio24hrs*

Tribunal manda desbloquear bens do ex-presidente Michel Temer

Foto: Reprodução / G1

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) determinou nesta terça-feira (28) o desbloqueio dos bens do ex-presidente Michel Temer. O bloqueio foi determinado em 2019 pelo juiz federal Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal de Brasília, em um desdobramento do inquérito que apurou supostas irregularidades na edição do chamado “decreto dos portos”.  Temer sempre negou ter cometido irregularidade. Ao todo, na ocasião, o magistrado ordenou o bloqueio de R$ 32,6 milhões do ex-presidente, do coronel João Baptista Lima Filho e de Carlos Alberto Costa, sócio de Lima.

Nesta terça-feira (28), a Terceira Turma do TRF-1 derrubou a decisão. A Turma entendeu que, para bloquear os bens, é preciso que órgãos de investigação apresentem indícios de que os bens foram pagos com produto do crime, tornando a origem ilícita, segundo o G1. Ao votar, o relator, desembargador Ney Bello, afirmou que “não basta que dados informativos decorrentes de procedimento investigatório sinalizem a possível prática de um ilícito penal”.

 

“O deferimento de medida cautelar de sequestro demanda a presença cumulativa dos requisitos […], o que não se verifica na situação descrita nos autos, tanto que a decisão se limitou a descrever quais documentos instruem a denúncia, sem dispor sobre a necessidade da medida no caso concreto”, acrescentou.

Presidente do TRE-BA acredita que Eleições 2020 não serão adiadas

Foto: Divulgação / Tecnoblog

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), desembargador Jatahy Júnior, falou sobre a realização das eleições previstas para outubro deste ano, que definirão os novos prefeitos e vereadores dos municípios.

Em live inédita, realizada por meio do Instagram do TRE baiano, Jatahy se posicionou e disse ao analista judiciário e mestre em Direito e doutor em Ciências Sociais, Jaime Barreiros, que há um esforço do Tribunal para manter a votação normalmente, sem a necessidade de adiamento.

“Não devemos enfaixar a cabeça antes de quebrar. Eu sou um pouco mais otimista nesta questão e, neste momento, creio que a nossa preocupação deva ser garantir o andamento do calendário eleitoral e é o que estamos fazendo”, afirmou o magistrado, ao considerar precipitado cogitar adiar a votação e prolongar mandatos.

Para Jatahy, que é também presidente eleito do Colégio de Presidentes dos Tribunais Regionais Eleitorais (Coptrel), no caso de uma necessidade de adiar o pleito, a prorrogação não deverá ser superior a 60 dias.

“Então, primeiro eu acredito que conseguimos realizar o pleito ainda em 4 de outubro, porém, caso a situação se prolongue, não acredito que haverá um adiamento por período superior a 60 dias, podendo as eleições ocorrer, no máximo, até dezembro nesta situação excepcional”, disse.

Um dos motivos para evitar ao máximo qualquer adiamento, segundo o presidente do TRE, é que os mandatos precisam ser encerrados em 31 de dezembro deste ano. (Leia mais no Correio24hrs*)

‘Sou Messias, mas não faço milagre’, diz Bolsonaro sobre mortes por coronavírus

Foto: Divulgação

Em entrevista nesta terça-feira, 28, a uma jornalista na portaria do Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que lamenta o número de mortos pelo coronavírus no Brasil que já superou a China, mas que não tem o que fazer sobre a situação.

“A gente ultrapassou o número de mortos da China por covid-19”, disse a repórter ao presidente, que declarou: “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”, disparou o presidente, referindo-se ao próprio sobrenome.

Em seguida, Bolsonaro continuou a entrevista afirmando que se solidariza com as famílias das vítimas. “Lamento a situação que nós atravessamos com o vírus. Nos solidarizamos com as famílias que perderam seus entes queridos, que a grande parte eram pessoas idosas”, disse.

“Mas é a vida. Amanhã vou eu. Logicamente, a gente quer ter uma morte digna e deixar uma boa história para trás”, completou.

Nesta terça-feira, de acordo com o Ministério da Saúde, os óbitos causados pela Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, chegaram a 5.017 no Brasil, número inferior a China, que segundo dados oficiais, registra 4.643.

Flexibilização

Ao ser questionado sobre a possibilidade de flexibilização do distanciamento social, o presidente se manteve neutro, dizendo que não dá parecer e que não obriga o ministro da Saúde, Nelson Teich, a fazer nada.

Sem apresentar fontes, Bolsonaro afirmou que 70% da população será infectada e que o governo nunca negou que o novo coronavírus causaria mortes no Brasil.

“As mortes de hoje, a princípio, essas pessoas foram infectadas há duas semanas. É o que eu digo para vocês: o vírus vai atingir 70% da população. Infelizmente é a realidade. Mortes vão (sic) haver. Ninguém nunca negou que haveria mortes”, ressaltou. (Atarde)

Eduardo Bolsonaro é intimado em processo de Lula e herdeiros de Marisa Letícia

(Agência Brasil/Arquivo)

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi intimado a apresentar sua defesa em ação na qual é processado pelos herdeiros da ex-primeira dama Marisa Letícia Lula da Silva. As informações são da jornalista Mônica Bergamo, colunista da Folha de S.Paulo. Ele tem 15 dias para apresentação de contestação.

Segundo divulgado pela jornalista, a família de Lula (PT) processa Eduardo Bolsonaro após publicação nas redes sociais na qual ele afirmava que Marisa Letícia possuía um patrimônio de R$ 256 milhões – quando, segundo a defesa dos herdeiros, o valor verdadeiro é de R$ 26 mil. De acordo com a jornalista, a ação também processa a secretária especial de Cultura, Regina Duarte, que compartilhou as afirmações. (Leia mais no Correio24hrs*)

Após Mandetta e Moro, Guedes pode ser o próximo a deixar Bolsonaro

Foto: Reprodução / Uol

Mal terminaram as repercussões da demissão de Sergio Moro do governo Jair Bolsonaro (sem partido) e a troca de farpas entre os dois, a semana começou com boatos de que outro superministro, Paulo Guedes, da economia, pode ser o próximo a sair do governo. Depois do ex-chefe da Saúde Luiz Henrique Mandetta da Saúde e do ex-juiz da Lava Jato, Guedes entrou no processo de “fritura” por insistir no discurso de manutenção de sua política de ajuste fiscal após a pandemia do novo coronavírus.

Pesa na relação entre Guedes e Bolsonaro o protagonismo que Braga Netto, da Casa Civil, e a ala militar ganharam ao anunciar o plano Pró-Brasil, que prevê elevação de investimento público para acelerar a retomada pós-pandemia do coronavírus. A fim de recuperar a imagem do ministro e apaziguar rumores de rompimento, o presidente disse hoje pela manhã que “um só homem” decide os rumos nessa área: “Ele se chama Paulo Guedes”.

Além de pedir colaboração de funcionários públicos, o ministro da Economia negou que defenda a perda de direitos. “O presidente disse que ninguém tira direito, salário, ninguém encosta em nenhum direito que existe hoje”. Fonte: Uol



WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia