WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

 



(71) 98769-3230

agosto 2020
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

:: ‘Política’

“Armação política contra mim”, diz prefeito baiano acusado de ameaçar esposa de candidato a vereador

Divulgação

O prefeito de Milagres, distante 240 km de Salvador, Cézar de Adério (PP), se defendeu das acusações de que teria ameaçado a tiros a esposa do pré-candidato a vereador do município, Jeferson Andrade (PT). Durante entrevista ao Grupo Aratu, nesta terça-feira (28), o gestor afirmou que que tudo se trata de uma “armação política” contra ele.

“Eleições se aproximam e a gente, que está bem visto, que tem 80% de aprovação junto ao nosso povo, infelizmente, à vezes, cai nesse tipo de armadilha. Essa cidadã é funcionária do ex-gestor e opositor a mim, aqui no município. Ele responde ações por calúnia e injúria e a vida dele é me perseguir. Esse cidadão busca imagens contra a minha pessoa e minha família há muito tempo”, disse Adério.

No vídeo, publicado por Jeferson, é possível ouvir um homem dizer que “vai arrancar a cabeça dele” e as súplicas da mulher questionando se o rapaz realmente vai fazer isso. “Você vai me matar seu prefeito? O senhor me respeite!”, diz a mulher.

Logo após a discussão, ela começa a gritar por socorro. Neste momento, é possível ouvir um disparo de arma de fogo. Segundo Jefinho, a voz da pessoa que discute com sua esposa é a do prefeito, enquanto o tiro teria partido de um dos seguranças dele.

Ainda segundo o prefeito de Milagres, nada disso teria acontecido. “É mentira! Vivo desses ataques desde quando esse senhor perdeu as eleições aqui, depois de 24 anos no poder, agindo como coronel, colocando os prédios públicos da cidade no nome dele. O povo disse chega, então agora ele cria esses subterfúgios para me perseguir, são várias ações. É muito difícil para ele aceitar o bom governo”, completou.

Castro Alves: Filhos de ex-prefeito aparecem em lista de auxílio emergencial

Casos de recebimento irregular de auxílio emergencial têm chamado a atenção. Em Castro Alves, no Recôncavo, dois filhos do ex-prefeito Clóvis Oliveira aparecem na lista. Cloves Rocha Oliveira Junior consta na de abril, e Diego Santos Oliveira, na de maio. Quanto ao primeiro, a informação é que a quantia de R$ 600 está retida. Já no caso de Diego não há restrição para o recebimento da mesma quantia.

Segundo apurou o Bahia Notícias, os dois filhos do ex-prefeito são empresários com renda que não permitiria o benefício. A exigência é que a pessoa tenha família com renda mensal por pessoa até R$ 522,50, ou com renda total de até três salários mínimos [R$ 3.135]. Além dos dois citados, há indícios de que uma empresária da cidade, de nome Lucivana Santana Rodrigues, esposa do pré-candidato a prefeito das últimas eleições de 2016 Gleison Campo.  também tenha recebido R$ 600 em abril.

Um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) apontou que 39.636 pessoas na Bahia receberam o auxílio emergencial de forma irregular. Destes, 1.358 foram destinado a “mortos”. O prejuízo foi calculado em R$ 26,4 milhões.

O ex-prefeito, teve as contas rejeitadas pela Câmara de Vereadores. Com isso, o ex-gestor fica inelegível por oito anos.

TCM manda prefeito de Conceição do Almeida suspender pagamentos a empresa

Foto: Divulgação/TCM-BAtcm

Os conselheiros do Tribunal de Contas dos Municípios ratificaram medida cautelar concedida de forma monocrática pelo conselheiro José Alfredo Rocha Dias, que determinou ao prefeito de Conceição do Almeida, Adailton Campos Sobral, a suspensão – por suspeita de fraude no processo – de qualquer pagamento à empresa Comercial de Material de Construção Aragão LTDA até que o TCM analise o mérito da denúncia apresentada à Corte por um vereador do município. Também foi vedada possível renovação ou prorrogação do contrato celebrado com a empresa. A decisão foi tomada na sessão desta terça-feira (14/07), realiza por meio eletrônico.

A denúncia, com pedido liminar, foi apresentada pelo vereador Cláudio Rodolfo Borges Coni, que afirmou “haver evidências de que o processo teria sido “armado” para desviar recursos públicos”, apontando ilegalidades e irregularidades no procedimento licitatório que declarou vencedora a empresa Comercial de Material de Construção Aragão LTDA. A licitação – na modalidade carta convite – tinha por objeto a aquisição de material de construção para suprir necessidades dos diversos setores da secretaria municipal da infraestrutura, transportes e serviços públicos do município.

O denunciante afirmou ter havido precária publicidade quando da deflagração do certame, falhas na elaboração do edital, divergência de valores nas cotações e comparecimento de apenas um dos licitantes convidados. Além disso, segundo ele, há indícios de utilização de “empresas de fachada” e de empresas pertencentes ao mesmo grupo familiar e empresarial que “compartilham endereços, dados e sócios, a fim de participar de processos licitatórios fraudados com intuito de despistar as autoridades e órgãos de controle.”

O conselheiro José Alfredo Rocha Dias, relator da denúncia, afirmou que, de fato, há indícios de graves falhas no processo licitatório, ainda que, segundo ele, “não se possa afirmar, a priori, que tenha sido intencionalmente engendrado para desviar recursos públicos”. Acrescentou que também são convincentes os elementos, para efeito de apreciação do pedido de liminar, acerca das ilegalidades e irregularidades no certame, bem como a existência de fortes vínculos entre os sócios das empresas que, em tese, deveriam ser concorrentes e competidores na licitação.

Desta forma, os conselheiros consideraram que estavam presentes no pedido os requisitos do “fumus boni juris” e do “periculum in mora”, ante a plausibilidade do direito pleiteado, em razão dos indícios de possível conluio entre empresas para fraudar a competitividade do certame, além do risco na decisão tardia, vez que já houve pagamentos à empresa no montante de R$158.067,14, esgotando e até mesmo ultrapassando o valor originalmente previsto no contrato, que foi de R$151.780,00.

Filha de vereador de Campo Formoso denuncia o pai de agressão e assassino

Foto: Reprodução

Rafaella Carvalho, 18 anos, filha do presidente da Câmara de Campo Formoso, José Alberto de Carvalho, usou as redes sociais nesse domingo (12) para denunciar ter sido agredida pelo pai. Ela denunciou o caso no mesmo dia em que registrou um Boletim de Ocorrência (B.O.) na delegacia local contra o vereador conhecido como “Ze Lambão”. Nesta segunda-feira (13, a jovem deve fazer exame de corpo e delito como parte das ações que investigam o caso.

De acordo com Rafaella, o pai sempre teve um comportamento agressivo e a sua maior vítima, durante muito tempo, foi a sua mãe. “Hoje, eu fui agredida, na verdade, eu esperava, né? Porque eu vivo há 18 anos vendo ele fazer isso com a minha mãe. Porque ele é um monstro, ele sempre foi isso, ele é um lixo”, disse a filha. Rafaella Carvalho chamou também José Alberto de “assassino”, em referência ao caso em que o vereador foi preso em flagrante por atirar e matar um homem após uma discussão em um bar de Campo Formoso, em 2016.

A estudante conta que estava em uma propriedade rural, junto a familiares, quando o pai fez um comentário sobre o desempenho da filha na faculdade. ”A gente estava na roça, com toda a minha família, e ele falou que eu não iria conseguir terminar. Com isso, eu fiquei muito chateada. Comecei a chorar e pedi para uma amiga me buscar. Nisso, eu falei com minha madrasta para me deixar na cidade do lado. Ele se estressou porque eu tava chorando, me trancou no quarto e fez isso comigo. Eu tô toda vermelha, toda roxa. Nem tinha muito que esperar muito dele, né? Porque vocês sabem, ele é um assassino, um agressor, um monstro. Tava todo mundo me mandando mensagem. Ele fez isso a vida inteira com minha mãe e eu decidi não me calar. De não deixar fazer comigo o que ele fez com outras pessoas”, declarou. (Com informações do Bahia Notícias).

Tribunal de Justiça suspende processo de afastamento do prefeito

Foto: Reprodução

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) suspendeu nesta sexta-feira (10), o processo de afastamento do prefeito de Candeias, região metropolitana de Salvador, Pitágoras Ibiapina.

De acordo com a decisão do juiz de direito, Leonardo Bruno Rodrigues do Carmo, o país não adotou como forma de governo o parlamentarismo, não sendo possível retirar ou suspender mandatos dos cargos de presidente, governador ou prefeito pela “mera conveniência do parlamento”.

A decisão também afirma que “a partir das disposições supra, não há como interpretar que um prefeito possa ser afastado após mera deliberação sumária da Câmara Municipal, sem existência sequer de direito a voz, quanto mais de petição, posto que sequer foi pessoalmente comunicado da realização de sessão de tamanha importância, com expressa violação portanto, de diversos dispositivos constitucionais”.

A Procuradoria da Câmara Municipal tem dez dias para se manifestar e prestar informações à Justiça.

Caso
A Câmara Municipal de Candeias, cidade que fica na região metropolitana de Salvador, aprovou na quinta-feira (9) o afastamento cautelar do prefeito, Pitágoras Ibiapina.

Em nota, a Câmara de Vereadores informou que acatou a uma denúncia referente ao superfaturamento na compra de respiradores pela prefeitura. Segundo o Ministério Público (MP), foram comprados oito respiradores, que custaram R$ 171 mil cada.

De acordo com o órgão, nove vereadores votaram pelo afastamento cautelar do atual gestor por 90 dias e oito votaram contra. Fonte: G1 Bahia



WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia