Foto: Reprodução/TV Bahia

O Ministério Público Federal (MPF) vai investigar se agentes públicos e parentes de políticos da cidade de Itarantim, no sudoeste do Bahia, cometeram fraudes para receber indevidamente o auxílio emergencial do Governo Federal. Entre os casos, estão o filho do prefeito e a filha do vice-prefeito do município.

O prefeito de Itarantim, Paulo Silva Vieira, disse que não sabia que o jovem tinha solicitado o benefício. O filho dele faz faculdade de medicina em uma instituição particular. A mensalidade custa R$ 7,5 mil.

“Meu filho errou, realmente, quando solicitou [o benefício] sem o conhecimento, sem o consentimento do pai. Mas ele já reparou o erro dele e também se arrependeu”, disse o prefeito.

O gestor municipal confirmou que outros 15 funcionários da prefeitura receberam o benefício de forma irregular. “Eles fizeram a devida devolução, também através de Guia de Recolhimento da União (GRU). Assim, eu acho que cabe a eles agora um pedido de desculpas à população”, completou Paulo Silva.

O vice prefeito de Itarantim, Jadiel Matos, também confirmou que a filha dele recebeu o benefício, mas, segundo o político, ela precisa do dinheiro.

“Ela não tem renda e o companheiro dela também está em dificuldade por conta dessa pandemia. Ela fez o cadastro dela, agora, por ser minha filha muita gente questiona. Eu não vejo por quê dela não receber o auxílio, uma vez que ela é independente e não tem renda”, relatou Jadiel Matos.

Recentemente, também houve um caso parecido no sudoeste baiano, com Hellen Lira Porto, filha do prefeito de Maiquinique, Jesulino de Souza Porto, e da secretária de assistência social do município, Eliane Lira Porto. Em um áudio postado nas redes sociais, Jesulino confirmou que a filha recebeu o auxílio emergencial. Confira mais no G1*