Castro Alves: De 16 a 26 de novembro será realizada a 2ª Semana Cultural Anísio Teixeira

565446856A Secretaria Municipal de Educação tem a honra de convidar toda comunidade Castroalvense para participar da 2ª Semana Cultural Anísio Teixeira, de 16 a 26 de novembro de 2015. Tema: Mais educação novos tempos, novos espaços e oportunidades educativas”. Falar sobre um educador de tamanha importância não é, deveras, uma tarefa simples, mas por demais complicada. Nesta breve tentativa de resgatar uma parte da história educacional brasileira, tentarei traçar a visão deste educador que teve sempre em destaque a importância da gratuidade do ensino e de uma educação para todos, indo assim ao encontro dos ideais da Escola Nova.

Se traçarmos um breve histórico da vida deste educador, desde o seu nascimento na Bahia (em Caetité), em 12 de julho de 1900 até a sua impetuosa visão educacional e atuação firme, muito poderíamos dizer de Anísio Teixeira. Advogado de formação, segundo Hermes Lima em seu livro Anísio Teixeira Estadista da Educação, Anísio sempre esteve apegado a uma visão de educação:

“… as duas orientações metodológicas que Anísio se manteve invariavelmente fiel: não há educação sem teoria da educação, nem educação sem o diagnóstico das situações que está chamada a resolver”.

Podemos imputar a Anísio Teixeira uma grande importância no cenário educacional brasileiro: ao iniciar seus estudos pós-graduados nos Estados Unidos entra em contato com a corrente pragmatista que se desenvolvia em vários países. Os últimos anos do século XIX e os primeiros vinte anos do século XX são ricos nas visões educacionais: Dewey com seus escritos sobre Escola e Sociedade, Escola e a Criança, Democracia e educação; a criação da “Verein Für Kinderspsychologie” em Berlim (Associação para a psicologia da criança); William James com suas Palestras pedagógicas; Freud com sua Ciência dos Sonhos e Dora; Ellen Key com A Criança do Século; Kropotkin com Campos, fábricas e oficinas; a fundação da primeira Escola Moderna por Francisco Ferrer; Lay com a Didática experimental; fundação da “Maison des enfants” em Roma por Maria Montessori; fundação École de l’Hermitage por Decroly em Bruxelas e da “Landerziehungsheim” de Holf-Oberkurch por Tobler na Suíça; fundação da escola Ferrer em Lausanne; Meumann com suas Lições para a introdução a Pedagogia experimental (1911-1915); Otto com a escola do futuro na Alemanha; Claparéde e Bovet com Maison des Petits na Suíça; A escola ativa de Ferriére e o início da experiência de Freinet em Bar-sur-Loup, para apenas citarmos a riqueza deste período.

E é influenciado por estas visões emergentes que Anísio Teixeira vê a necessidade de uma teoria educacional indissociável de um saber prático. Anísio passa a assumir uma posição filosófica firmada no exemplo de John Dewey. Dewey foi um progressista social. Concebia a educação como um processo de recriação ou reconstrução do educando por meio da experimentação. Propunha a educação em e para o educando, sendo Anísio um dos precursores desta visão no meio educacional brasileiro.

Anísio passa a ter a visão de que o ambiente social é fundamental na escola e que, como a família já não educava como no passado, a instituição ‘escola’ deveria ter tal posição, diagnosticando e aplicando os meios curativos necessários.

Anísio também era político, apesar de não militar em partidos. Era extremamente atento as dificuldades por que passavam o país. Em seus escritos é expressivo um humanismo democrático e um humanismo socialista, que coincidem e dão as mãos em diversos de seus pensamentos políticos. Podemos verificar isso por ocasião do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932), em que o ideário da democratização de oportunidades, mediante a expansão da educação na rede pública e gratuita para as classes menos favorecidas, o que rendeu a Anísio o título de ‘comunista’, apesar de não o ser. Segundo Vanilda Paiva, Anísio:

“Em 35 sai do governo e se exila na Bahia até 1946. Na ditadura Vargas ele ficou fora do governo. Para o governo que é semi-militar Anísio era um subversivo. Como muitos liberais eram. Em 64 ele volta a ser perseguido por ser liberal. Porque nesse período – final dos anos 40 até 64 – ele foi a principal figura educacional por ter ocupado postos centrais do Ministério da Educação. O INEP cuidava de tudo que dizia respeito à educação primária – da construção à pesquisa. Com a Capes ele interferia no ensino superior. Liberais e comunistas foram perseguidos. Anísio também foi fundador do Instituto Superior de Estudos Brasileiros (Iseb), a primeira instituição a ser fechada com o golpe militar. Roland Corbusier, Candido Mendes de Almeida, Guerreiro Ramos, Álvaro Vieira Pinto e, é claro, Hélio Jaguaribe. Anísio estava em toda essa movimentação, até contraditória, porque envolve católicos, liberais, comunistas, nacionalistas. Todos foram perseguidos pelo golpe.”( Paiva apud LAGÔA, Ana. A Utopia da educação pública.)

Em seu livro Educação não é privilégio, Anísio concebia a:

“A escola pública universal e gratuita não é doutrina especificamente socialista, como não é socialista a doutrina dos sindicatos e do direito organizacional dos trabalhadores; antes são estes os pontos fundamentais por que se afirmou e possivelmente ainda se afirma a viabilidade do capitalismo ou o remédio e o freio para os desvios que o tornariam intolerável.”(p.55)

Anísio não foi apenas um educador teórico, mas como administrador ocupou os cargos de Inspetor-Geral do Ensino da Secretaria do Interior, Justiça e Instrução Pública na Bahia (1924-1929); de Diretor Geral de Instrução Pública na cidade do Rio de Janeiro (1931); Secretário da Educação e Saúde em Salvador (1945-1950); Secretário de Educação e Saúde da Bahia (1947-1950); diretor do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (INEP) e da Campanha de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES (1951 e 1964); e investiu ainda na criação do Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais (CBPE) em 1955, na Universidade de Brasília – UnB (1960), tornando-se membro do Conselho Federal de Educação em 1962 e, posteriormente Reitor da UnB (1964). Anísio tinha como meta a reconstrução dos ideais de uma escola pública e gratuita nos diversos níveis.

Secretaria Municipal de Educação
“Educar para transformar vidas”

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *