Sintepav denuncia demissão em massa, após Abengoa fechar as portas em Castro Alves e Sapeaçu

Foto: Bahia10 - Leandro Alves

Sintepav Bahia lamenta as demissões que agravarão o quadro de crise social de Castro Alves & Sapeaçu (Foto: Bahia10 / Leandro Alves)

O Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada e Montagem Industrial do Estado da Bahia (Sintepav) ingressou na quinta-feira (26) com pedido de mediação em caráter de urgência, junto ao Ministério Público do Trabalho – MPT, referente a demissão em massa dos trabalhadores da Companhia espanhola Abengoa, responsável por obras de energia renovável e infraestrutura na Bahia.

Nas últimas semanas a companhia já havia demitido cerca de 500 trabalhadores e agora somente na Bahia, realizará até o final do mês, a demissão de mais de 1.500 funcionários. A Abengoa está presente em mais de 80 países e tem o maior projeto de linhas de transmissão do Nordeste – 900km passa pela Bahia.

O Sintepav Bahia lamenta as demissões que agravarão o quadro de crise social das regiões dos municípios Castro Alves , Sapeaçu, Riachão das Neves, Barreiras, Santana, Bom Jesus da Lapa, Igaporã, Livramento de Nossa Senhora, Ibicoara, Planaltino, e compreende que os trabalhadores não podem ser sacrificados com a perda dos seus direitos. A demissão de milhares de trabalhadores causará impacto direto na economia local, diminuindo o fluxo de renda no estado.

De acordo com o Dow Jones Newswires, a companhia espanhola Abengoa, está encerrando as atividades no Brasil e entre os contratos firmados entre a empresa e o Governo Federal está a renovação da rede de transmissão de energia desde a cidade de Miracema/TO até Sapeaçu/BA.

Neste trecho vários fornecedores e prestadores de serviços de Goiás, Tocantins, Piauí e Bahia, estão angustiados devido ao crédito que têm junto a empresa espanhola. Muitos deles o volume de recursos se aproximam de um milhão de reais a receber. Conforme a publicação, caso se confirme o calote, empresas de médio e pequeno porte deverão fechar as portas e enfrentar uma enxurrada de ações trabalhistas.

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *